sexta-feira, 24 de agosto de 2018

TRILHOS DO TEMPO



Imagem coletada no Google  posto que, 
infelizmente, não foi possível o acesso a foto que inspirou este arremedo de soneto. :( 


TRILHOS DO TEMPO
Ysolda Cabral 



Pelos trilhos o Tempo trilha,
eterno na Tarde indolente,
sob o olhar atento que brilha,
e fotografa mui discretamente... 

Eu, apenas simples andarilha, 
talvez do passado,ou do presente,
a imaginar, da fotografia, a maravilha
de perpetuar através de uma lente...

Penso naqueles que partiram,
e que trilharam a mesma trilha   
certos da direção e desistiram. 

Quão inúteis são as sapatilhas!...
Assim, descalça, sigo os que resistiram.
Ah, Linha Férrea! Quem não descarrila?

**********

Recife Antigo
23.08.2018
Apenas Ysolda
Uma pessoa que chora e ri de alegria,
tristeza, ou saudade, sem pudor.

  

quarta-feira, 13 de junho de 2018

UM SONETO NO CORETO

A imagem pode conter: árvore, planta e atividades ao ar livre


Imagem coletada no Google 


UM SONETO NO CORETO
Ysolda Cabral



Queria saber compor um Soneto,
que falasse do amor verdadeiro.
Compondo cada verso sem medo
dele ficar doce que nem brigadeiro.

Não poderia ser destinado a dueto,
por mais que ficasse leve, maneiro!
Mas, poderia ser exposto em Coreto,
para os enamorados o lerem por inteiro.

E, quando isso acontecesse, o Sorriso 
os convidasse ao beijo apaixonado.
Sabe, aquele que leva ao Paraíso!

Ah! E, se, o Sol ficasse enciumado,
e a Lua serena, mas de sobreaviso;
eu, feliz, lembraria o meu amado.

**********

Praia de Candeias-PE
12.06.2018
Apenas Ysolda
Uma pessoa que chora e ri de alegria, 
tristeza, ou saudade, sem pudor.



Código do texto: T6362337 
Classificação de conteúdo: seguro

VENDO A VIDA ACABAR

A imagem pode conter: pássaro

Imagem coletada no Google 



VENDO A VIDA ACABAR
Ysolda Cabral



Cadê os beija-flores galantes, 
e as lindas borboletas coloridas? 
Cadê os passarinhos dantes, 
que cantavam canções tão bonitas?

Cadê as Sereias sempre elegantes,
do Mar de Candeias, nem tão amigas? 
E os fortes e destemidos navegantes,
que a gente só vê frágeis salva-vidas?

Não há mais aquelas flores no caminho, 
agora é proibido tomar banho de Mar,
e, como tubarão nada tem de peixinho;

fico aqui muito consternada a pensar,
dentro do meu confortável mundinho,
o quanto é triste ver a Vida acabar!...

**********

Praia de Candeias-PE
10.06.2018
Apenas Ysolda
Uma pessoa que chora e ri de alegria,
tristeza, ou saudade, sem pudor.

SÃO JOÃO DE MINHA ÉPOCA



A imagem pode conter: planta, flor, atividades ao ar livre e natureza


IMAGEM COLETADA DO GOOGLE 



SÃO JOÃO DE MINHA ÉPOCA
Ysolda Cabral



Hoje me peguei pensando no São João de minha época, na minha amada Caruaru e senti tanta saudade! - Aquele sim era São João de verdade! Os festejos eram organizados com simplicidade e com recursos mínimos. Com jornais velhos, fazíamos lindos balões e com as páginas de revistas coloridas, ou de pedacinhos de tecidos, a gente fazia as bandeirolas e tudo ficava muito bonito e enfeitado. Para vestir, bastava um vestido de chita, bem matuto, de saia rodada, estampado. Para calçar, sandálias ou mesmo um tamanco comprado na feira e já estava tudo pronto para dançarmos a quadrilha, ensaiada muitas e muitas vezes para que não houvesse nenhum passo errado ou desigual - os ensaios eram alegres e muito, muito divertidos. Quanto aos rapazes; eles vestiam calças coronhas, com remendos, camisas quadriculadas, e, para calçar; alpercatas. Para completar a caracterização, não podia faltar o chapéu de palha, claro. A culinária ficava por conta de nossas famílias que garantiam pamonha, canjica, pé de moleque e muitas coisas mais feitas de milho, ou não. Até no preparo das comidas havia alguma coisa mágica, especial. Creio que era a união... Assim o São João era comemorado com muita alegria e muita graça. - Eu só não gostava muito dos fogos de artifício - tinha medo deles. Quando as sanfonas, triângulos e zabumbas silenciavam, e as fogueiras chegavam ao estado de apenas brasa, era a hora de sentarmos em volta delas para assar o milho e conversar sobre o próximo São João, mesmo sabendo que muitos de nós já não estaria mais ali... E assim fomos indo embora de nossa terra natal e o São João se vestiu de sofisticação, de grandiosidade e foi perdendo muito da sua pureza, simplicidade e originalidade, pelo menos para mim.


**********

Praia de Candeias-PE
07.06.2018
Apenas matuta

SONHOS QUE INVENTO

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, em pé, sapatos e atividades ao ar livre



SONHOS QUE INVENTO
Ysolda Cabral



Sobrancelhas finas e arqueadas, 
cabelos despenteados pelo Vento,
sorriso, de marca já registrada,
a sorrir dos sonhos que invento...

Sem saber estar sendo tapeada
pelo senhor Tempo, em detrimento
de minhas escolhas e estradas, 
muitas asfaltadas pelo sofrimento.

Seria tão bom voltar ao começo,
identificar os erros e não mais errar! 
Ou, errar, sem ter que pagar o preço.

Quantas vezes a gente pensa amar! 
Ah, só de lembrar eu já entonteço,
e perco toda a vontade de voltar!...

**********

Praia de Candeias-PE
06.06.2018
Apenas Ysolda
Uma pessoa que chora e ri de alegria,
tristeza, ou saudade, sem pudor

Na foto, aos 20 anos, descendo a rampa da 
Prefeitura de Caruaru, numa manhã qualquer...

CURIOSIDADE...





Curiosidade...

Nesta foto eu contava a idade de 20 anos. Fiquei aqui matutando a razão de usar as sobrancelhas tão fininhas. Então lembrei que era moda nessa época usá-las assim. - Que diferença das de hoje! Aliás, tudo ficou muito diferente...


Praia de Candeias-PE
Em 04.06.2018
Apenas Ysolda 

terça-feira, 5 de junho de 2018

NA BOCA DA NOITE



Imagem Google que inspirou o soneto em tela.



NA BOCA DA NOITE
Ysolda Cabral


A Poesia na boca da Noite caiu, 
e a Fantasia se vestiu de realidade.
A Lua considerando um açoite vil, 
ponderou se era mesmo verdade.

Perguntou à Coruja que se retraiu,
e não respondeu sobre a insanidade.
A história, então, do nada progrediu,
e a Lua ficou cheia pela maldade...

A Poesia era pura tal qual donzela; 
como foi parar numa boca assim,
e como se obter notícias dela? 

Foi quando um vagalume, de vela, 
Iluminou a Poesia, no canto do fim,
E a Lua pode a eternizar numa tela.

**********

Praia de Candeias-PE
03.06.2018
Apenas Ysolda
Uma pessoa que chora e ri de alegria, 
tristeza, ou saudade, sem pudor.

www.fugindodocontexto.blogspot.com.br
www.ysoldacabral.prosaeverso.net


Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 04/06/2018
Código do texto: T6355436 
Classificação de conteúdo: seguro