terça-feira, 5 de junho de 2018

NA BOCA DA NOITE



Imagem Google que inspirou o soneto em tela.



NA BOCA DA NOITE
Ysolda Cabral


A Poesia na boca da Noite caiu, 
e a Fantasia se vestiu de realidade.
A Lua considerando um açoite vil, 
ponderou se era mesmo verdade.

Perguntou à Coruja que se retraiu,
e não respondeu sobre a insanidade.
A história, então, do nada progrediu,
e a Lua ficou cheia pela maldade...

A Poesia era pura tal qual donzela; 
como foi parar numa boca assim,
e como se obter notícias dela? 

Foi quando um vagalume, de vela, 
Iluminou a Poesia, no canto do fim,
E a Lua pode a eternizar numa tela.

**********

Praia de Candeias-PE
03.06.2018
Apenas Ysolda
Uma pessoa que chora e ri de alegria, 
tristeza, ou saudade, sem pudor.

www.fugindodocontexto.blogspot.com.br
www.ysoldacabral.prosaeverso.net


Ysolda Cabral
Enviado por Ysolda Cabral em 04/06/2018
Código do texto: T6355436 
Classificação de conteúdo: seguro

Nenhum comentário: